VIVENDO COM AUTORIDADE

28 E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina; 29 Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.

Mateus 7:28,29

Esse trecho finaliza o sermão do monte – relatos descritos em Mateus 5 até Mateus 7 – O interessante é perceber que todo sermão dito por Jesus até chegar em seu desfecho é sobre o evangelho em prática, é uma síntese da Teologia bíblica. O sermão do monte podemos dizer que é sobre como nós, cidadãos do Reino de Deus, devemos andar e se comportar, como podemos colocar o ensinamento de Cristo em prática. 

E na bíblia vai dizer que após ministrar sobre esse sermão, a multidão fica maravilhada com seus ensinamentos, e que diferente dos escribas, Jesus tinha autoridade. Mas o que será que isso significa?

John Stott em seu livro sobre sermão do monte, vai nos apontar 7 características da autoridade que Jesus tinha, elas são:

A autoridade de Jesus como mestre
A autoridade de Jesus como o Cristo
A autoridade de Jesus como Senhor
A autoridade de Jesus como Salvador
A autoridade de Jesus como Juiz
A autoridade de Jesus como Filho de Deus
A autoridade de Jesus como Deus

Quando a gente vai no original da palavra “Autoridade”, em grego ela significa: ἐξουσία

ξουσια exousia (no sentido de habilidade); 
1) poder de escolher, liberdade de fazer como se quer, 
1a) licença ou permissão 

2) poder físico e mental 
2a) habilidade ou força com a qual alguém é dotado, que ele possui ou exercita 

3) o poder da autoridade (influência) e do direito (privilégio) 

4) o poder de reger ou governar (o poder de alguém de quem a vontade e as ordens devem ser obedecidas pelos outros) 
4a) universalmente 
4a1) autoridade sobre a humanidade
4b) especificamente
4b1) o poder de decisões judiciais 
4b2) da autoridade de… 

Percebemos que não é qualquer tipo de autoridade, é uma espécie de domínio e soberania sobre aquilo que Ele falava, vamos lembrar que Jesus é a própria palavra viva. Diferentemente dos fariseus, Jesus é aquele que era e vivia aquilo que pregava. Os mestres da lei religiosa (acadêmicos religiosos) frequentemente citavam tradições e autoridades para respaldar seus argumentos e interpretações. Mas Jesus para respaldar seus ensinamentos Ele praticava. Pois além de ensinar, Ele vivenciava o que estava ensinando. A base dos ensinos de Jesus era o próprio Cristo. E quem esta sendo a base daquilo que você vive?

E por isso que a bíblia vai dizer que a multidão se admirou, pois via verdade em Jesus, diferentemente dos mestre das leis, que ensinavam a palavra de Deus mas apenas falavam de boca para fora, eram apenas reprodutores de conhecimento, e não praticante de seus ensinamentos.

E na nossa vida cristã devemos perguntar que tipo de atitudes estamos tendo, a de Escriba ou a de Jesus. Será que estamos fazendo isso com autoridade, vivendo o que pregamos ou sendo igual aos escribas, pessoas hipócritas que falam sobre a palavra de Deus, mas vivem totalmente ao contrário. Temos que viver uma vida conforme a bíblia nos ensina. Tiago já deixou bem claro que não existe fé sem obras (Tiago 2.17) pois até os demônios creem no nome de Deus, mas apenas os filhos de Deus praticam sua vontade.

Então como verdadeiros cristãos, devemos ter autoridade ao estudar a bíblia e ao transmitir seus ensinamentos. Não devemos ter atitudes de um cristão de boca para fora, mas devemos mostrar que vivemos aquilo que cremos.

COMO VOCÊ ESTÁ VIVENDO?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *